2018 | Top12: Momentos do meu ano

31 de dezembro de 2018

Lanço-me neste tipo de publicação desde o ano em que criei este blog. Em 2015 as palavras-chave foram mudança e auto conhecimento. Em 2016 escolhi gratidão e felicidade e no ano passado aventura foi aquela que melhor descreveu o meu ano. Este ano a escolha é dura, mas creio que agridoce é o sentimento que melhor lhe poderá estar associado.

Foi um ano de muitos altos e baixos. Um ano de confrontação com algo que nunca queremos que nos chegue: a doença nos que amamos. Este ano ensinou-me muita coisa. Deu-me grandes lições. Fez-me ver a vida de outra forma. Colocou-me à prova e ao final destes doze meses quero, uma vez mais, deixar os doze momentos que mais me marcaram. Mas, pela primeira vez, há momentos menos bons nesta lista...

1 // A doença da minha mãe
Inevitavelmente temos que começar por aqui. Foi no dia em que recebi o telefonema da minha mãe que a minha vida mudou. A partir do momento que soube do tumor da minha mãe, os meus dias passaram a ser vividos de outra forma e foi à volta dessa data que os restantes meses de dois mil e dezoito foram vividos. Foi o pior que me aconteceu durante este ano e foi, ao mesmo tempo, o acontecimento que mais aprendizagens me trouxe.

2 // A surpresa de regressar a casa
Foi no início de Abril que decidi voltar a casa em modo surpresa. Depois da doença ser descoberta foi a primeira vez que regressei e decidi fazê-lo sem que os meus pais soubessem. E, foi por isso que jamais esquecerei o momento em que tive a minha mãe abraçada a mim com lágrimas a correr pelo rosto. Foi um sentimento tão sincero e genuíno de amor. Sei que fui uma lufada de ar fresco e um motivo ainda mais presente para que ela se agarrasse à vida. Vi nos seus olhos que foi um momento marcante e soube pelas suas palavras que foi a segunda melhor surpresa da sua vida. A primeira foi quando descobriu que estava grávida de uma menina - de mim.

3 // As férias - em família - ao Sul da França
Se havia lugar que queria muito visitar em França era a Côte d'Azur. Marseille, Nice, Cannes, Mónaco, Saint-Tropez, Èze e Cassis foram vilas por onde passei alguns dias ao lado de família que me é muito próxima. Primas que são como irmãs e com quem aproveitei o que de melhor esta zona tem para dar. Foram dias de felicidade, de recarregar energias e de guardar memórias.  

4 // O dia da cirurgia
No dia dez de Abril senti na pele o medo que nos assombra de não sabermos de voltamos a ver uma das pessoas mais importantes da minha vida. Foi o dia da cirurgia da minha mãe e depois de me ter despedido dela, no dia anterior, por entre lágrimas e sorrisos de força, tive muito medo que não me fosse dada a oportunidade de a abraçar de novo. Até que pouco antes das hora de almoço abracei a família e suspirei de alívio por saber que tudo havia corrido bem. Mas, mal sabia eu que o percurso ainda ia ser tão duro...

5 // Roadtrip pela Bretanha
Em Junho viajei até ao Norte da França e perdi-me por entre a costa da Bretagne e o Mont-Saint-Michel da Normandie. Foram horas e horas nas estradas, de mão dada com o mar e na melhor companhia. Duas amigas que fizeram mais de mil quilómetros, que se fartaram de cantarolar músicas francesas e portuguesas e que viveram dias de plena felicidade.

6 // O s-i-m no mestrado
A treze de Junho recebi o e-mail com a admissão no mestrado que queria. Já antes de voltar a Portugal para as férias de Verão, sabia que o meu destino já estava traçado. Tinha sido aceite no mestrado que tanto me dizia e no qual queria passar os próximos dois anos. Ia voltar a ser estudante e o facto de ocupar um dos dezoito lugares foi obviamente uma vitória!

7 // Uma noite de despedida de solteira
A primeira #rainha casou e antes disso foi preciso preparar uma despedida de solteira à altura. Uma noite passada em ambiente de festa, com t-shirts personalizadas, comida tipicamente minhota e muita música popular. Uma ideia que surgiu quase que em cima do joelho e que, no final, foi fantástica. Diria que melhor teria sido impossível!

8 // O concerto do Pedro Abrunhosa
Já há anos que andava para ver um concerto deste senhor! Sou fã das letras das músicas dele que me transmitem inevitavelmente uma mensagem e tinha imensa curiosidade em vê-lo em palco, uma vez que já me haviam dito que a sua presença era fantástica. Pois bem, em plenas festas de Agosto, tive a oportunidade de ver um concerto dele durante pouco mais de uma hora e meia e adorei! A verdade é que é alguém que se adapta ao seu público e que consegue pôr toda a gente a saltar.

9 // Casamento do ano
A 22 de Setembro reunimo-nos para celebrar o amor. A primeira #rainha do grupo casou e nós estivemos presentes! Viajei de França para marcar presença neste dia tão importante e o meu corpo decidiu trocar-me as voltas. Adoeci e passei o dia entre a cama para dormitar e a casa de banho para vomitar. Gostava de ter tido a oportunidade de aproveitar este dia, mas a altura não foi a melhor e o stress aproveitou-se de mim. Esperemos que no próximo tudo corra melhor.

10 // A adaptação à Universidade
Tal como havia escrito, não é fácil voltarmos a estudar depois de cinco anos em pausa. O corpo e a cabeça já não estão habituados a este ritmo e os três primeiros meses foram de muita adaptação a esta nova realidade. Questionei-me sobre se havia tomado a decisão certa e se tinha as capacidades necessárias para realizar este mestrado. Não me arrependo e sei que no dia em que tudo estiver terminado me sentirei orgulhosa de mim mesma, mas também tenho consciência de que há ainda um longo caminho a ser percorrido.

11 // Dia de aniversário diferente e feliz
Quando comprei o bilhete de avião e percebi que ia passar o meu dia de anos em plena viagem senti-me triste por perceber que iria ser tão diferente do habitual. Passados mais de vinte anos voltaria a acordar no país que me viu nascer e começaria o dia longe dos meus. Mas, afinal, este dia transformou-se num dos melhores! Deu-me a oportunidade de festejar o meu aniversário nos dois países que já me deram tanto, com as minhas duas famílias. Ofereceu-me uma das melhores surpresas da minha vida, no aeroporto e fez-me sentir amada mais do que nunca. Em balanço, foi um aniversário diferente, mas imensamente feliz!

12 // O sentimento de gratidão
Ao longo do ano e, essencialmente depois da chapada de luva branca que recebi, dei por mim a agradecer inúmeras vezes. A agradecer à vida a oportunidade de continuarmos a lutar por tê-la, dia após dia, na nossa vida. Agradecer pelo caminho que me foi traçado e por esse ser aquele que eu escolhi. Agradecer por aprender, todos os dias, a viver com a saudade de estar longe. Agradecer pelas pessoas que tem aparecido e que me dão o amparo de que preciso em momentos difíceis. Agradecer por ter criado laços, por ter amigos que não são de sempre, mas para sempre em cantos do mundo. Agradecer por ter uma família que serve de pilar e que sei que está cá para ela quando eu estou a quilómetros. Agradecer por me ter agarrado a algo que sei que me acompanha dia após dia e que me guia. Agradecer por sentir que tenho o direito a ser amada e a amar.  Agradecer por ter aprendido a ser genuinamente feliz com a vida que tenho, superando os dias menos bons e continuando a ser um foco de energias positivas para ela. Cresci muito ao longo destes meses e não sou de todo a mesma pessoa que escreveu o balanço do ano passado. Estou mais adulta, mais mulher e mais consciente de que a vida é somente uma passagem, mas que cabe a nós lutar para que façamos parte dela o máximo de tempo possível. Para 2019 só peço saúde. Saúde para mim e para os meus. Saúde para que este 2018 passe a ser somente uma memória passada  

Enviar um comentário

© luciieblog. Design by FCD.